VOCÊ CONHECE O BECHDEL TEST?

(1) Existem duas mulheres – com nomes – no filme? (2) Elas conversam entre si, (3) sobre qualquer coisa que não seja homens? Se a resposta for sim para as três perguntas, o filme em questão passou no “Bechdel Test”. Parece simples, porém, são inúmeros aqueles que fracassam neste exame.

O teste recebeu este nome em homenagem à cartunista Alison Bechdel, que popularizou essas perguntinhas no comic “Dykes to Watch Out For” – The Rule, em 1985. Alison inclusive divide os créditos das regras à Liz Wallace, cujo nome aparece na tirinha.

É importante observar que essas perguntas, mesmo que tenham o sim como resposta, não garantem que o filme rompa com estereótipos de gênero ou que o filme seja feminista (ou que sejam bons, para falar a verdade). É apenas um sintoma, afinal, isso seria o mínimo. Mas o homem no centro ainda é o padrão, o protagonista, o herói ou aquele que as mulheres falam sobre, por isso, tantos filmes fracassam aos serem analisados sob esta perspectiva.

Anita Sarkeesian, do Feminist Frequency, em vídeo de 2012, sugere, inclusive, a inclusão de mais um pré-requisito para as perguntas de Bechdel – (1) Existem duas mulheres – com nomes – no filme? (2) Elas conversam entre si – por mais de 60 segundos, (3) sobre qualquer coisa que não seja homens? Esse acréscimo deixaria mais evidente a falta de representatividade das mulheres nos filmes, quando filmes passam no teste por cenas tão curtas. Independente desse adendo, o que é irrefutável é a baixa representatividade das mulheres na mídia, mesmo ainda em 2016.

Noah Berlatsky, em artigo sobre a série Star Wars, retoma um ponto importante que, na origem do termo, há uma destaque não apenas ao apagamento da da mulher na mídia, mais também para o apagamento da mulher gay, em especial.

A LETRA A

Em 2013, cinemas da Suécia resolveram adotar a classificação A para filmes que passassem no teste de Alison Bechdel, de acordo com a diretora das salas, Ellen Tejle, a intenção não é criticar o próprio filme mas fazer os espectadores pensarem sobre a mídia que eles assistem. Após três anos, os resultados são inspiradores – os filmes suecos agora têm 2,5 vezes mais chance de passar no teste de Bechdel; o selo A que classifica os filmes que passam no exame de Bechdel agora já aparecem em mais de 30 salas de cinema; o teste de Bechdel é agora ensinado nas escolas; outros testes que dão diagnósticos sobre a diversidade étnico e cultural de filmes têm sido utilizados (confira artigo do Indie Wire sobre o tema aqui).

Os resultados do caso dos cinemas na Suécia apontam para algo simples, porém eficaz – é preciso descortinar as desigualdades da representação em nossas telas. Informação gera reflexão e, assim, essa realidade pode começar a ser alterada.

A mídia que você tem assistido – filme, séries, programas de TV – passa no teste de Bechdel? Comece a pensar e aplicar esse teste e você pode se surpreender – infelizmente, negativamente. Porém, o audiovisual não é o vilão, muito pelo contrário. Acreditamos no poder do cinema de ajudar a transformar o mundo – só precisa mudar o seu padrão antes.

A LETRA F

Em março de 2017, a base de dados IMDb (Internet Movie Database) começou a utilizar o selo “F” (F Rating) para destacar filmes escritos, dirigidos por uma ou mais mulheres ou que possuem personagens complexas mulheres. Se o filme alcançar essas três categorias, recebe um “triplo F”, o “padrão ouro” do selo. A classificação “F” foi criada em 2014, por Holly Tarquini, diretora do Bath Film Festival, inspirado no teste de Bechdel. No portal do selo, “Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert aparece como um dos destaques nos filmes com “triplo F”.

É interessante que o selo F coloque em destaque tanto a posição das mulheres em algumas das principais funções técnicas do cinema (direção e roteiro) e também aborde a questão das protagonistas mulheres. Ao introduzir essas categorias em uma base de dados amplamente acessada (mais de 250 milhões de visitantes por mês), a promoção do cinema de mulheres tem ganhos. Mais de 21 mil filmes foram classificados com o selo F. Porém, a visibilidade dada ao selo no site é muito baixa. A categoria F não aparece nas páginas dos filmes, mas apenas quando se entra na página de referência do IMDb.

Referências

https://www.theguardian.com/film/2015/dec/22/star-wars-the-force-awakens-feminism-bechdel-test-lesbian-culture

What Happened After Swedish Theaters Introduced a Bechdel Rating for Its Movies?

http://www.passthebechdeltest.com/

http://bechdeltest.com/

The Bechdel Test for Women in Movies

The Oscars and The Bechdel Test

F-rated: IMDb introduces classification system to highlight work by women

http://f-rated.org/

Most Popular “F Rated” Titles

Bath Film Festival’s F-Rating added to online film site IMDb

2 thoughts on “VOCÊ CONHECE O BECHDEL TEST?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s