Carta para Joy | Wanderlust – Navegar é preciso

Joy, Wanderlust  é uma palavra alemã, dessas que só têm significado na língua de origem, como a nossa “saudade”. Aquela primeira é uma junção de duas outras: wander – maravilhar-se, vagabundear, aventurar-se – e lust – luxúria, desejo. Juntas, porém, nasce um significado novo: um desejo intenso de viajar pelo mundo, um desejo maior que qualquer outro, uma sede por conhecer novos lugares. E quando … Continue reading Carta para Joy | Wanderlust – Navegar é preciso

Carta para Glorinha | Separações | #CartasParaElas

Glorinha, Depois de tantos pedidos de folga de Cabral, é você quem se encanta pela liberdade, pelo sonho de poder fazer as coisas de que realmente gosta e, enfim, conseguir entender-se profissionalmente sem trabalhar apenas com o marido. É você, Glorinha, que vive mais uma paixão intensa ao ponto de ter seu coração partido ao ter que aprender a se despedir de um amor para … Continue reading Carta para Glorinha | Separações | #CartasParaElas

A cidade onde envelheço | Crítica

Intimidade em close up no filme A cidade onde envelheço A cidade onde envelheço (2016), de Marília Rocha, é um mergulho nas possibilidades de um “cinema de intimidade”1 – intimidade como gênero cinematográfico. A história narra as escolhas de Francisca (Francisca Manuel) e Teresa (Elizabete Francisca) entre chegadas e partidas em uma cidade que não é a de origem de nenhuma dessas duas lisboetas vivendo … Continue reading A cidade onde envelheço | Crítica